Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

domingo, 12 de agosto de 2012

É sempre de mim que falo

untitled

 Quando escrevo poesia
 e lanço meus versos ao vento

 Por mais que me esconda ou disfarce
 me liberte ou embarace
 é de mim que falo
 a todo o tempo

 De mim a mim
 e de mim aos outros

 Deixando que os olhos e os ouvidos do mundo
 e as aves do céu
 tomem as minhas palavras
 e distorçam meus versos e rimas

 E gerem novos sorrisos
 novas ideias e afectos
 capazes de enxugar lágrimas e angústias
 de aliviar a dor
 de viver e de ampliar a alegria
 de acreditar num único amor
 numa só forma de amar

 No qual todos nós
 poetas ou não
 acabaremos um dia
 por nos reencontrar  

Vale de Salgueiro, terça-feira, 12 de Janeiro de 201020120812
Henrique Pedro

1 comentário:

  1. E foi assim...
    de tanto falar de mim
    me perdi.
    Falei demais!
    Expus meus ais
    e sumi.
    Estou agora voltando...
    e novamento falando...
    de MIM!

    ResponderEliminar