Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

A balança da verdade

imagesCADFYB9V

Eu gostaria que a minha humildade

posta no outro prato da balança

em que coloco a minha dignidade

pesasse por igual

e fossem seus pesos o amor

a esperança

e a humanidade

 

Gostaria que fosse a balança da verdade

a pesar

que tanto pesassem humildade

e dignidade

e que pesado fosse o seu valor

 

Eu gostaria que a minha dignidade

não tivesse o contra peso do orgulho

nem a minha humildade a tara da vaidade

 

Eu gostaria que a minha vida

fosse um acto de heroísmo

capaz de desiquilibrar a balança

para o lado do amor

com a dignidade e a humildade

no mesmo prato

e o egoísmo no outro

e sem peso algum

 

Eu gostaria por fim

que o fiel da balança fosse o amor

em meu coração

e não o pensamento ruim

ou a cega ambição

 

*****

1 comentário:

  1. Estimado Amigo e Ilustre Poeta Henrique Pedro,
    Que bom seria se fiel da balança fosse fiel, tanto a vida, na justiça e no amor namaioria das vezes o fiela anda desconrolado.
    Lindo poema com imensa profundidade e como sempre cheio de amor.
    Adorei.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar