Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sábado, 6 de outubro de 2012

Na mais alta e fria serrania transmontana

r

Na mais alta e fria, serrania transmontana

Apascenta, indefesa, o seu dócil rebanho,

Uma linda e sedutora pastora serrana

Cuja pureza, porém, é puro, doce, engano.

 

Santa será, sim, para o bom povo, puritano!

Para mim, é pura pecadora, não me engana,

Não fora eu o seu amado poeta insano

Que ela recebe, por amor, na sua cabana.

 

Que açoda toda a montanha à procura dela,

De língua de fora como o mais fero lobo,

Mas que não quer o rebanho e só a quer a ela.

 

É só pelos seus beijos doces que eu me afobo,

E a ela, com os meus, açobo, qual cadela,

Tanto que a toda a serra, a paixão, pega fogo.

 

^^^^^^

4 comentários:

  1. maravilhoso amigo poeta!
    é impressionante a qualidade de tua escrita, os sentires de tua alma e coração!
    Parabéns pelo talento!
    beijos meus!

    ResponderEliminar
  2. Foi um prazer vir ler este soneto, deixo meu abraço.

    natalia nuno

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, Henrique. Realmente, um lindo e incendiário soneto!

    ResponderEliminar
  4. 7 duaryyoSensual e ardente!Amei!

    Maria Luísa

    http://os7degraus.blogspot.com

    ResponderEliminar