Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Uma chávena de angústia




Entrou de mansinho
surgida da rua
vestida de lua
e sentou-se na mesa ao lado da minha
vida

Pediu uma chávena de porcelana
imaculada
vazia
de nada

Que encheu de angústia
adoçou com amargura
e mexeu
com a colher
da poesia
por entre vapores de Baco
e baforadas de tabaco

Depois despediu-se
sem alegria

Quando eu já bebia
de pé
a minha chávena de café
e de ansiedade

Remexeu
comigo
aquela mulher

Tanto que a impressão carmim
dos seus lábios
rubros de sensualidade
no bordo da chávena de porcelana
imaculada
permanece indelével
dentro de mim

4 comentários:

  1. Belissimo poema, cheio de sntimentos, de ternura, de desejo... de emoções e sentimentos por acontecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, estimada amiga Helena, pela visita e generosidade dos seu comentários. os maiores sucessos para si.
      abraço

      Eliminar
  2. Meu amigo do coração e da alma,
    Quanta ternura! Que mágico! Maravilhoso!
    Vim convidá-lo para ver minha postagem de hoje, que conta a minha história!
    Bjs calientes!

    ResponderEliminar