Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

A mulher gorda



Um som inaudível
uma estranhíssima indução
uma qualquer inconsciente associação
terá motivado tal opção

Não sei

Quando hoje pela manhã
me preparava para me barbear
desatei a assobiar
o refrão
de uma música em voga
e não tardei a trautear o estribilho

«Mulher gorda,
ai a mim não me convém,
………………….
Ai, Ai, Ai, Ai,
eu gosto dessa mulher»

E quando dei por mim
já gritava a plenos pulmões
enquanto a lâmina deslizava
na face ensaboada

«Mulher gorda,
ai a mim não me convém
………………….
Ai, Ai, Ai, Ai,
eu gosto dessa mulher»

E repetia com mais ardor

Quantas pessoas na vizinhança
terão pensado que enlouqueci
eem esperança de cura?
Quantas mulheres gordas sentiram ganas
de me esganar?

Não sei!


A barba ficou um primor

1 comentário:

  1. A mulher gorda o inspirou! Aliás, era inspiração de muitos quadros de pintores antigos! A moda muda e volta!!!
    Não sou gorda, mas amei os versos!

    ResponderEliminar