Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Ao ritmo do que me vai no peito



Martelo palavras sem jeito
ao ritmo do que me vai no peito

Teclo por teclar
sem pauta nem rima
é a angústia que me anima

Sentimentos sem razão de ser
sem tegumento
que se me enrolam no corpo
como sarmento de videira

Quiçá sopro de vento divino
que me embriaga como vinho
a vida inteira

Sou um cálice
transbordante de poesia
poção efervescente de fantasia

Bebo
o meu próprio sangue
e exangue
continuo a cantar

Até que adormeço
na esperança

de tornar a acordar

Sem comentários:

Enviar um comentário