Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

As estrelas



Vivo no campo
confrontado com o encanto
do Cosmos e da Natureza
noite e dia

De dia é o Sol
que desde a aurora
com esplendor e beleza
me desafia

À noite são as estrelas
e é a Lua
que de amor estua
e me alumia
de soledade

As estrelas estão lá no Céu
no regaço do Universo
cobrindo todo o espaço
com seu véu
de luz e verso
e espiritualidade

Pequeninas
bruxuleantes
a chamar por mim

Lá no Firmamento
sem fim
a espevitar o meu pensamento

Pequeninas e distantes
a dizerem-me ainda assim
o que nem sei
imaginar


Por mais que ande
só serei
verdadeiramente grande
quando as alcançar

4 comentários:

  1. Simplesmente divino nos faz viajar à um tempo lúdico não foi em um campo mas parecido interior.
    Tenho lembranças lindas e essa poesia me fez recordar!... Amei Sol Holme.

    ResponderEliminar
  2. Não vivo no campo
    mas o reconheço como alimento
    para o espírito e para o poema

    Saudações desde o Rio de Janeiro

    ResponderEliminar
  3. Amigo, é reconhecido o seu talento.Neste poema, o final é de platina coroando o oiro que antecede o "ending":
    "Por mais que ande
    só serei
    verdadeiramente grande
    quando as alcançar"
    Bravo!
    Confesso que todo eu tremi de emoção, é que o Henrique exprimiu com mestria algo que eu sinto deste de que nasci.
    Parabéns,grato e continuação dum domingo feliz.Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Agradeço a sua visita, distinto amigo Luíz, e a generosidade do seu comentário. Um abraço fraterno.

    ResponderEliminar