Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Dizem que o poeta é demente





Dizem que o poeta é demente
Que não vive neste mundo real
Que, qual esfinge, finge e mente
Que não passa dum louco, afinal

O poeta é um ser anormal
É bem diferente de toda a gente
Embora distinga o bem do mal
É um ser sem maldade, inocente

O poeta pugna pela verdade
Sem obedecer a nenhum poder
Tão-somente serve a liberdade

O poeta louva quem merecer
A si basta a imortalidade
E consolar quem sente a sofrer



28 comentários:

  1. Simplesmente lindo! Descreve a alma do poeta. Sei porque sou poetisa, e me vi através do poema acima.
    Parabéns.
    Thaise Santos

    ResponderEliminar
  2. Distinta amiga, ilustre poetisa Thaise. Agradeço a sua visita, muito sensibilizado com o seu comentário. Ser-se poeta será um privilégio.
    Abraço fraterno.

    ResponderEliminar
  3. O poeta é alma livre que voa nas asas do vento, nem louco nem santo, tolo ou demente________poeta apenas, um ser iluminado que caminha longe de qualquer maldade e segue que colorindo as horas do dia com suas poesias, tentando um mundo mais bonito. Grande abraço,_______________LL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço com muita satisfação a sua presença e o seu comentário muito generoso e ajustado, minha ilustre amiga Luciah. Felicidades para si.

      Eliminar
    2. Bom ouvir isso,não sou poeta oficial,mas tudos que vcs falaram aí,faz parte de mim..antes de ler isso eu estava me sentindo culpada por ser diferente...querer estar só pra meditar na poesia das coisas,da alma..achei que
      eu fosse má,por querer estar mais isolada, lendo,meditando sobre tudo,eu e meus pensamentos,,mas agora com essa definição aí,fiquei mais em paz comigo mesmo.valeu"

      Eliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

  5. Estimado Henrique Pedro, na lucidez dos seus versos, transpira sentimentos, como já fazia o seu conterrâneo Fernando Pessoa. Transpõe os limites da clausura, para fazer transbordar a liberdade de expressar a viagem da alma poética, e dar-nos o sincero valor às maravilhas que a mente sadia sabe criar, sem rodeios o dever de amar e se fazer amado.
    Gostei, admirável poeta do seu poema. Pode estar certo de que arquivei seu precioso blog aos meus favoritos. Assim, terei registrado o acesso mais imediato.

    Abç. fraterno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estimado amigo, ilustre poeta Dilson Paiva
      A sua visita, e o seu comentário, muito me honram e me dão alento a este meu afã de poetar. Obrigado por tudo. Abraço fraterno.

      Eliminar
  6. O poeta

    O poeta tem uma sensibilidade incrível
    Ele capta emoções e vibrações em um simples
    Pensamento onde a tua mente divaga por caminhos
    De sonhos e são, nestes sonhos, que ele vive sua realidade

    E esta realidade se transforma em versos
    E estes se transformam em lindos poemas,
    De múltiplas realidades, ou seja:

    Ora poemas de tristeza, ora de saudades
    De humor, eróticos, melancolia e de amor
    Que é uma forte característica do poeta
    Ele é conhecido como o apológico do amor,
    Pois faz apologia ao amor e vive no presente
    De amores do passado e estes remetem a um futuro

    O poeta é um sonhador, um fingidor
    Mas nestes fingimentos e sonhos
    Sempre existe uma verdade crua e nua
    Que o remete para o campo da imaginação ou não

    Para entender um poeta, você tem que penetrar
    Na alma dele, pois, por muitas das vezes, ele se
    Fecha igual a uma ostra e, ao mesmo tempo, demonstra
    Ou parece demonstrar turbilhões de sentimentos em suas poesias
    Que deixam seus leitores em dúvida quanto à sua verossimilhança
    De seus sentimentos e comportamentos

    Para fazer entender-me e explicar a realidade e a imaginação de um poeta
    O poema Autopsicografia, de Fernando Pessoa, vai remeter-te à alma
    E você entenderá o estado de espírito, o conflito, a confusão:
    Do Ser e do Estar em que se encontra o poeta.

    Sol pereira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um belíssima referência ao imortal Pessoa que muito me agrada, a sua, distinta amiga Sol. Agradeço e desejo-lhe as maiores felicidades.

      Eliminar
  7. lINDA HOMENAGEM A TODOS OS POETAS, QUE SÃO LOUCOS SEM O SEREM. É COM ESSA LOUCURA QUE O POETA CRIA OBRAS DE ARTE.
    PARABÉNS E UM ABRAÇO. BOM DOMINGO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo a Alberto da Fonseca
      A sua presença é-me muito agradável porque mostra estar de perfeita saúde e poeticamente bem inspirado.
      Obrigado. Abraço amigo.

      Eliminar
  8. Bravo,muito bem versado, o poeta é isso o vôo liberto dos sentimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Distinta amiga Stela
      Agradeço a sua visita e a sua generosa apreciação.Desejo-lhe as maiores felicidades.

      Eliminar
  9. linda homenagem aos poetas.. bendita seja essa demência.. o mundo precisa desses "loucos" para encantar e dizer o que vai na alma de todos.. parabéns meu poeta..é sempre um prazer te ler..beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço a sua visita, distinta amiga ilustre poetisa, Maria Bonfá, que muito me honra e muito me anima. Abraço fraterno.

      Eliminar
  10. Querido Henrique Pedro

    Falar sobre a loucura de um poeta é descrever a si mesmo, e somos sim,um pouco disso tudo que disseste, pois não podemos reprimir nossos impulsos poéticos, mesmo que nos pareçam tresloucados; mas para os nossos leitores, tenha a certeza, somos "o máximo"! Rss...

    Adorei teu poema.

    Parabéns

    Mírian Warttusch
    Compositora e escritora acadêmica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Distinta amiga e ilustre poetisa (ou poeta, como queira) Mírian
      Agradeço a sua visita e o seu comentário que considero ajustadíssimo. A poesia é uma força interior, mais forte no poeta e que não se pode silenciar. É a resultante directa da força do amor e do desejo de verdade.
      Abraço fraterno.

      Eliminar
  11. Muito bom seu poema. Parabéns amigo poeta!

    ResponderEliminar
  12. Agradeço a sua visita e simpatia, estimada/o amiga/o. As maiores felicidades para si. Abraço fraterno.

    ResponderEliminar
  13. O poeta é um louco pela realidade. Adorei o poema. Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. O poeta é o agente da insconsequência pura... ainda bem!
    Abraços!

    ResponderEliminar
  15. Agradeço a sua visita, distinto amigo Expedito, bem como a generosidade dos seu comentário. Abraço fraterno.

    ResponderEliminar
  16. Bom poema para este Dia, Henrique!
    Viva o Dia da Liberdade!
    Abraço camarada,
    Jorge Sales Golias

    ResponderEliminar
  17. Bom poema para este Dia, Henrique!
    Viva o Dia da Liberdade!
    Abraço camarada,
    Jorge Sales Golias

    ResponderEliminar
  18. Henrique,
    Revi-me no teu poema. Eu costumo dizer que não pertenço a este mundo. Sinto-me deslocada nele.
    Beijo e bom fim de semana.
    Nanda

    ResponderEliminar
  19. O poeta é um fingidor...
    Do que não gosta vai-se afastando
    Mas quando a crueldade é causa de dor
    Ele aí está, alerta, denunciando.




    PARABÉNS, POETA!
    Abraço

    ResponderEliminar