Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Colhendo poemas directamente das árvores



A vantagem de se viver no campo
fora da cidade
está em que sempre podemos ir ao pomar
colher poemas directamente das árvores

Quando não são as aves que no-los trazem
adejando à nossa volta
a chilrear melodias
de verdade

Ou o Sol
ou a lua
ou as estrelas
que com os seus raios de luz escrevem eles próprios
os versos
na nossa alma
enquanto nós nos limitamos
deslumbrados
a ler

E quando pela manhã abrimos a janela
descobrimos que não temos nenhum sítio para aonde ir
nada mais que fazer
porque apenas nos apetece escrever

Abre-se, então, o infinito à nossa frente
recortado em montanhas de angústia
e acabamos por não encontrar espaço para voar
só porque temos medo de não poder regressar

4 comentários:

  1. Viajei pelo pomar. Colhi os frutos das árvores. Saboreei e adorei o gosto a poesia.
    Fraterno abraço,
    Maria

    ResponderEliminar
  2. Agradeço a sua visita, distinta amiga Maria, e a generosa simpatia das suas palavras. Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Lindo demais amigo e poeta Henrique!
    Abraços!
    Ligi@Tomarchio®

    ResponderEliminar
  4. Agradeço a sua visita, distinta amiga Ligia,e a amabilidade das sua palavras. Abraço.

    ResponderEliminar