Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Diluo-me no tempo



Qual rio a correr
para o mar
sem saber em que oceano
ou lago
se irá transformar
também eu
estou
a caminho

Diluindo-me no tempo
transformando-me em pensamento
sem saber o que sou
tão pouco para onde vou

Tornarei
feito nuvem
trazido nas asas do vento
para em poesia
de novo
me precipitar?

Ficarei
eternamente
por lá
no ar
sem mais dor
apenas a mais a amar?

A certeza
a tenho
de morrer
não a de desaparecer

Porque se assim fosse
não havia existido

sequer

Sem comentários:

Enviar um comentário