Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Três Poemas de Natal



Estrela
1962

Na quietude de uma noite estrelada
Fria mas linda
Apareceu uma estrela
Toda doirada

Veio do alto
Mesmo do centro
Do enorme Firmamento

Depois
Banhada pelo luar
Desceu
Desceu
Parou

E na quietude da noite estrelada
Seus raios lançou...
A um perdido
E mirrado casebre...
Toda doirada

E no casebre
Bem pequenino
Nasceu Deus
O Deus menino

                                              Vale de Salgueiro, 25 de Dezembro de 1962

Arame farpado
1971

Uma névoa de saudade
Invadiu o campo
E as luzes
Não iluminam claramente
As zonas para cá
E para lá
Do arame farpado

As árvores são sombras
Carregadas
Na própria sombra das imagens
E os cantares dolentes
Perdem-se
Na ausência de respostas
Da floresta

Ninguém percorre os trilhos
Esta noite
E aqueles que não sentem
Guardam respeito aos demais

De tudo resulta silêncio
E ruído de recordações
Que o mesmo é saudade

                                              Nangololo (Norte de Moçambique), 24 de Dezembro de 1971
In Poemas da Guerra, de Mim e de Outrem


Esperança
2007

Não conhecemos a data
Exacta
Em que Jesus nasceu em Belém
É porém menos lendário
O registo da Sua morte
No Monte Calvário

Por 2007 vezes nascerá Jesus
No imaginário humano
Quantas vezes mais morrerá
Transfigurado em Cristo
No sinistro calendário do ano?

O homem não vive ainda o Natal
Mensagem universal de Paz e Amor
A mentira, o sofrimento e a dor
Esgotam o espaço e o tempo
A notícia e o noticiário
Expande-se a tristeza da morte
Cala-se a alegria do nascimento
Glorifica-se quem mata
Por esse mundo além
Avilta-se a grandeza de ser mãe

Que Jesus continue a nascer
Hora a hora
Até Cristo deixar de o Ser
Que viva dentro de nós
E não morra mundo fora

No Natal acende-se a Luz
Do Amor, da Paz e da Esperança
Nasça Deus mais uma vez
Feito criança
Salve-se o homem Cristo
Da Cruz


Vale de Salgueiro, 26 de Novembro de 2007

Sem comentários:

Enviar um comentário