Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Ápex






Passo horas assim

Quieto

Bem desperto

Em decúbito dorsal
fitando o tecto
do Firmamento

A brisa suave que me afaga por fora
transforma-se em vento
por dentro

Mesmo com o céu encoberto

Embrenho-me em recordações
em dilações do tempo
dou volta ao mundo

Suspendo vida

Uma estrela cadente
perdida
passa célere
ante meus olhos

Num ápice
mergulho no ápex
arrastando comigo todo o Sistema Solar

Até que ouço alguém chamar
a dizer-me que são horas de dormir
a pedir-me para voltar
antes que me perca

Mas eu já não estou ali
nem lá
nem além
nem aqui
nem cá

Estou inteiro dentro de mim
onde também cabe o Cosmos

É de lá que vejo
sinto
e ouço
o mundo que me cerca


in “Introdução à Eternidade”- 2013