Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Pede-me que lhe escreva um poema de amor







Ela sabe bem que o poeta fantasia
mas que o faz por amor
não para enganar ninguém
a não ser iludir-se a si próprio
ilusório solilóquio
com que alivia
a sua dor

Pede-me ainda assim
que lhe escreva um poema
mas não imagina o dilema
em que me mete

Não porque me não dê matérias e motes
estrofes e rimas
tantos são os seus atributos
tão fortes os seus dotes
ou não fora ela toda feita de poesia

Pede-me ainda assim que lhe dedique um poema

Um poema de amor
que a faça sonhar
sem imaginar
como me compromete

Não!
Poemas de amor não tenho devolutos

Que se contente com este poema de verdade
que também é de amor
embora de um género mais “soft”
a que se chama amizade!