Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Parti, de mansinho, para não te acordar



Parti
de mansinho
para não te acordar
porque percebi que sonhavas comigo

Sorri
aconcheguei-te a roupa
beijei-te na testa
e escrevi este poema balsâmico
na tua agenda aberta
sobre a mesinha de cabeceira
mesmo à beira do despertador

Para que quando o alarme tocar
e te fizer acordar
sintas o meu amor
e não entres em pânico
por não me encontrar deitado
a teu lado

Também
para te dizer
que jamais te quero perder
por nenhuma razão
e que estarás sempre presente
no meu coração

E que enquanto eu estiver ausente
por obrigação
andarei sempre a penar de paixão
deserto de desejos
de ti
do teu carinho
dos teus beijos

Por isso parti
assim devagarinho
sem te acordar
porque percebi

que sonhavas comigo

6 comentários:

  1. Parabéns, Henrique Pedro, por este belíssimo poema que tem o mavioso timbre das harpas, a beleza etérea do ciciar da brisa…

    Filomena G. Camacho.

    ResponderEliminar
  2. Agradeço a sua visita, distinta amiga Filomena, e a amabilidade das suas palavras. Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, Henrique. delicadeza de sentimentos e palavras.

    ResponderEliminar
  4. De intensa beleza , paixão e romantismo! Dia feliz poeta Henrique.

    ResponderEliminar
  5. A delícia de amar e ser amado,,, Nos transporta e faz com que passemos a ser o próprio personagem dessa trama... Belíssimo...

    ResponderEliminar