Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

O mais fundo que fui dentro de mim




Nunca pretendi mudar
o mundo

Ouso ir mais além
ao mais fundo de mim

distender a vida
demover a morte
ainda assim

Vencer fantasmas do passado
quimeras do futuro
sobreviver às tempestades do cérebro
às catástrofes do coração
libertar-me da guerra e dos corifeus
da Terra

Acertar o meu tempo
pelo tempo da eternidade
e mergulhar

Lançar um laço de razão
um grito de angústia
a um ponto fixo no infinito
e com um pouco de sorte
enlaçar-me a Deus

Ainda que não saiba como nem quando
aonde irei parar
e em que tempo
do destino

Não há outro caminho
senão continuar
por mim a dentro




3 comentários:

  1. Estimado Amigo e Ilustre Poeta Henrique Pedro,
    Mais um dos maravilhosos poemas, este bem profundo, meditando sobre o passado e buscando algo de belo para o futuro, continuando dentro de Si.
    Adorei.
    Votos de óptimo fim de semana.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Há que continuar sempre e viver um dia de cada vez com toda a sabedoria e excelência.
    Abraço fraterno e um fim de semana especial.

    ResponderEliminar