Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Diz-se do ódio o que se diz da paixão



Amar
amamos pessoas verdadeiras
e inteiras

Não amamos só um rosto
um braço, uma perna, uma mão
tão pouco só um corpo, um estatuto
sequer só um coração

Amar
amamos algo de imanente
permanente e transcendente
desconhecido
distendido
que não se encobre nem disfarça
e não nos embaraça

Daí que o motivo do nosso amor
possa estar numa mulher
num homem
num ente escondido
velho, novo, doente ou são

Já a paixão não!

A paixão tem rosto
e tem corpo
tem perfume
utilidade
irradia sensualidade
gera ciúme
é obceção

Apaixonar
apaixonamo-nos por uma pessoa concreta
que em nós desperta moléculas
de vício
de prazer e atracção
ou de alienação
embora com fantasia

Pessoa que nos inquieta
nos arrelia
basta um indício
uma indisposição


Por isso se diz do ódio

o que se diz da paixão

2 comentários:

  1. Parece tão simples,mas os dois sentimentos juntos dão explosão:

    ResponderEliminar
  2. Mais que perfeito. Coloca-se à parte o AMOR VERDADEIRO, aquele que traz a grandeza da alma e atrela-se paixão é ódio. Adorei. Ódio é antônimo da paixão e nunca do amor.
    Uma construção poética magnífica, meu amigo!

    ResponderEliminar