Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Apenas angústia e lágrimas para partilhar



Quando
e onde nasci
mum pequeno mundo rural
do Portugal
implantado na  Europa
por engano
ainda se bendizia a Deus
pelo pão de cada dia
se benziam as colheitas de cada ano
e se celebrava o seu sucesso com alegria

Porque se sabia quanto custava
andar um ano inteiro a mourejar
ao sol ardente
à chuva
ao frio
e à geada
para se conseguir o sustento
um naco de pão que fosse
arado, semeado, ceifado, malhado, moído, amassado, cozido
partido e repartido
com dor
amor
e suor
à força da enxada
e do timão

Mergulhou-se depois num mundo fácil
de frágil
e fugaz ilusão

Com demasiada gente que deveria chorar mas que cantava
e ria
por tanto ter que esbanjar
que adorava os falsos deuses que lhes punham a mesa farta
e do mundo da miséria os apartava
mas lhes encondia a verdade

Agora
são milhares os seres humanos que não têm que comer
nem deuses a quem agradecer
e que apenas têm lágrimas
para partilhar!

Mais a angústia de não saber que fazer

Agora
mais do que nunca

tem sentido a palavra solidariedade

5 comentários:

  1. Henrique,
    Obrigada, por através da poesia, tentares despertar as (in)consciências daqueles que se esquecem de agradecer a Deus a abundância e as muitas graças concedidas e não enxergarem com os olhos da alma as carências dos seus irmãos.
    Beijo da amiga
    Nanda

    ResponderEliminar
  2. Quantas vezes me lembro da célebre frase "Quem tem um pedaço de terra, tem tudo". Perdeu-se o sentido da terra que nos alimenta, dos rios que nos fornecem a água tão preciosa para a vida e o que resta? Angústia e solidão por entre blocos de cimento armado entremeados de rios de betão que são infecundos, que engoliram e destruíram valores

    ResponderEliminar
  3. Para muitos a vida é muito difícil e jamais deveria haver guerras entre seres humanos, é o maior desrespeito a vida, parabéns pelo belo poema...

    ResponderEliminar
  4. Henrique!
    Parabéns pelo seu belo espaço cultural.
    Esse poema, tocou-me a alma, demonstrando a situação de Portugal hoje, que não é apenas ao seu Pais, mas o mundo todo sofre essa falta de sensibilidade e gestão dos ocupantes do Pode. O povo sofrido, suplica por melhorias e sua qualidade de vida..
    Triste realidade..
    Abraço de sua nova amiga
    Luiza

    ResponderEliminar
  5. Adorei o seu poema, os valores são essenciais, o respeito e o uso da solidariedade são essenciais nos dias que decorrem. Abraço poético

    ResponderEliminar