Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

À sombra de uma nuvem


 

Adormeço
Prostrado
À sombra de uma nuvem
Cansado
De um pensamento mais denso

Embalado
Por uma aragem de espírito
Que me refrigera o corpo
Do sopro ardente da Terra
Envolta em guerra

Acordo
De madrugada
Na frialdade da noite iluminada
Pela luz cósmica das estrelas
Que espargem espiritualidade

A geada
Prateada
Da verdade
Não me deixa dormir

Flutuo no nada
Demente que estou
Com a mente perturbada

Que virá a seguir?

 

in Angústia, Razão e Nada

2 comentários:

  1. O que virá a seguir é sempre uma incógnita, por mais sereno que esteja nosso pensamento.
    Mas as nuvens, bem... são sempre inspiradoras.
    Um abraço!!!

    ResponderEliminar