Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Palavras danadas de nadas


Palavras danadas
de nadas
sem sentido

Poemas proscritos
ocos
vazios de tudo
plenos de nada
que nada dizem
e dizem apenas
coisas nenhuma

Ilusões

Bolhas de espuma
estouros de pipocas
ar encerrado em balões
que estouram por si
ou se acaso os toca
s simples ponta de alfinete

Palavras obscenas
cortantes como canivete
grunhidos
gemidos
sorrisos de mentes pequenas
que fogem da mão
e apunhalam o coração

Pão ganho sem suor
suor que não produz pão

Sementes estéreis
levada pelo vento
que germinam em lugar incerto
ou caiem no caminho
longe ou perto
e são mato daninho

Obras sem fé
bairros clandestinos
sem água
sem luz
fé fictícia sem alma nem tino

Sémen ejaculado sem amor
fontes de dor
Filhos nascidos por acaso
criados desamparados
ao deus dará

Palavras de nadas
danadas
sem verdade
ou utilidade

Tentação niilista
terrorismo
discurso político

Aonde
isto
irá
parar?


Terá um dia fim?