Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se. Feliz Ano Novo.

sábado, 22 de março de 2014

Porque escrevo poesia?












A esta angústia maior
que me morde a mente
neste dia
responde-me a própria poesia

Fico um tanto mais consolado
embora não de todo aliviado

Porque escrevo poesia?

Para calar angústias entranhadas
estas sensações estranhas
que me desassossegam o corpo
por fora e por dentro
e são sopro de coisas etéreas
como o vento

Há quem fume e quem beba
mas porque isso me causa tão incómoda azia
a mim dá-me para pensar e escrever poesia

Para transformar medo em coragem
ódio em amor
prisão em liberdade
raiva em tranquilidade
fracasso em glória
mentira em verdade
saudade em presença
maldade em inocência
indiferença em solidariedade
vício em temperança
fome de sexo em paixão
para aliviar outros males de coração

E para sufragar os gritos de milhares de irmãos que sofrem e morrem sem que ninguém lhes valha
para quem a vida é um verdadeiro inferno
tudo isto me cicia a poesia neste dia

Como muita gente
certamente
eu escrevo poesia
para me sentir vivo e livre

e sorver o sabor de me sentir eterno