Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sábado, 10 de maio de 2014

Talvez…



Talvez…

talvez minha mãe
me tenha estreitado demais, em seu seio
quando eu era menino
de coração aberto
pelo receio
e coberto
com demasiado afecto
e carinho

Talvez…

talvez meu pai
tenha levado longe demais, em mim
a ideia de verdade
liberdade
aventura
e altivez

Talvez…

talvez o meu povo, simples e probo
me tenha moldado de forma especial
com a sua generosidade ancestral
a sua simplicidade
rusticidade
e honradez

Talvez…

talvez a minha Terra Quente
me tenha marcado profundamente
com o calor do seu Verão
destemperado
e o frio do seu Inverno
desmedido
com a eterna promessa de parúsia
em cada Primavera
e o seu raro Firmamento
de religiosidade iluminado

Talvez…

talvez Cristo Jesus
e a sua Cruz
me tenham tocado
demasiado fundo
o coração
e transformado
para sempre
a minha vida
numa permanente oração

Talvez…

talvez a minha Pátria, Portugal
me tenha desiludido
e traído o Império Místico da Irmandade Universal
a razão de ser
português

Talvez…

talvez por tudo isso
eu esteja agora aqui
deprimido
angustiado
de coração agitado
confrontado comigo
com os meus
com Deus
os céus
as misérias do mundo

e o fracasso da Civilização…