Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sábado, 28 de junho de 2014

Em tempo real



No exacto instante em que pousas a vista
neste primeiro verso

Anota o tempo
e regista o local preciso
do Universo
em que te encontras

Se possível coloca um cronómetro a contar

Lê bem alto
em silêncio
para ti
este poema
por forma a ser ouvido
por todas as partes do teu ser

Não sou eu que falo contigo
e a mim
tão pouco
sequer
me podes imaginar

És tu que fantasias
e vives poesia
em tempo real

Quem escreve apenas exterioriza
a menos que se coloque no teu lugar

Todo o processo criativo é angustiante
para quem cria

O poeta real é aquele que lê
sente
interioriza
e se põe a divagar

Se liberta de si
do mundo
e cavalga o vento

Que se ergue por dentro
a viver aventuras
impossíveis de contar

Alguém que a si muito se estima
que não se atém a uma palavra
a um som
a uma rima
e tudo lhe serve para poetar

Que reduz o espaço
a um abraço
o tempo a uma eternidade

Para o cronómetro
agora

Nem deste pelo tempo passar

Terão sido segundos
ou uma eternidade?

Esteves-te aí
ou noutro lugar?

Eu não sei

Apenas sei que acabei

por te abraçar