Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Sou filho do Sol e de Gaia


 

 

Alguém
fora do espaço e do tempo
me surpreende a lamber as feridas
do último combate dentro de mim
e me pergunta quem sou

Sou filho do Sol e de Gaia
minha bem amada mãe

Vivo do seu ar e da sua água
de angústia apresada
e de sonhos de cambraia

Moro na Lua
que iluminada
estua
ainda não sei quando me vou embora

E componho melodias de pensamento
que tanjo com o coração
e espalho no vento

Versos de amor e amizade
poemas de verdade
gritos de razão