Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Cosmos e caos


 

Todas as noites
quando abro a porta
e saio de casa
deparo com a fascinante formosura do Firmamento

E muitas vezes acontece
a esmagadora dimensão do Universo
e a ordem cósmica
o sincronismo dos astros
e a pujança da vida que me envolve
lançarem dentro de mim a angústia
e o caos das ideias

Será mesmo Deus um Ser aleatório
estatístico
probabilístico
para Quem ser bom ou mau tanto faz
e que atende às necessidades dos homens
conforme lhe apraz?

Que a uns lança no caos da dor
os condena à inevitável miséria
e a outros beneficia com a ilusão da glória
uma vida bem mais sadia
premiando até
a mais desumana rebeldia?

Ou será que não existe no Cosmos
o caos
e que apenas mora no espírito do homem
que só por isso se angustia?

Sempre
em jeito de resignação
e de admissão de culpa subliminar
pressupondo que cumpro um castigo
eu mesmo me respondo
e me bem-digo
para me tranquilizar

O caos e a dor dimanam de uma ordem menor

Uma força maior
a que chamamos Amor
emana de uma entidade superior