Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Em decúbito dorsal


Acordo
mas deixo-me ficar deitado
absorto
desperto
enlevado

Em posição de decúbito dorsal
de mãos atrás da nuca

a olhar o tecto
sem nada ver
nem sofrer
de outro mal
apenas a pensar
se dormia
porque despertei

Apenas à espera
que o despertador toque
à hora para que o regulei
antes de me deitar

Já a obscuridade do quarto
é rasgada pelos raios da aurora
já lá fora se ouvem chilreios
tomado eu dos anseios
da saudade
não sinto pressa de me levantar

E porque haveria eu
de sentir pressa de me levantar
antes do despertador
tocar?

Só porque acordei
antes da hora
para que o regulei?

É assim o amor
é assim a saudade

Um despertador
que nos desperta
sem hora certa
estejamos ou não acordados

Só com pressa de regressar

 
Mueda (Norte de Moçambique), Maio de 1973

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Gelo a arder



O novelo de lã apenas será meia
quando for fiado
e tecido
pela alma da tecedeira

O monte de caruma
somente será fogueira
se ateado pela chama
de quem precisar de se aquecer

A madrugada apenas será dia
quando o Sol raiar
e o presente apenas será futuro
quando houver passado que contar

O homem só será livre
liberto ou não das grades da prisão
quando se não tomar da mais leve angústia
nem sentir rancor no seu coração

O branco apenas será alvura
quando não tiver riscos de carvão
no seu coração

O preto apenas será negro
e o negro apenas será preto
quando não houver branco no seu olhar

E o viver apenas será vida
quando não houver ameaças de morte
nem sentimentos de má sorte

O emaranhado de palavras
apenas será poema
quando tiver ideia
for lido e sentido
mesmo sem ter
rima alguma

A Verdade apenas o será
se não contiver ideias obscuras

A luz será absoluta
se não for refractada por nenhum prisma
e não tiver a mais imperceptível franja de cor

A pedra de gelo
sem calor bastante para ser água
levantar fervura e ser vapor
apenas será transparente
aos olhos da gente
quando não tiver arestas

A ideia apenas será iluminação
se for gelo
a arder

Este poema é uma pedra de gelo
a arder
na imaginação

O amor apenas o é
sem condição

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Porque se não liberta já a minha alma, de mim?


Fixo o olhar
sem contudo olhar
para nenhum lugar

Deixo o tempo correr


em silêncio
ouço o relógio do cosmos
a tiquetaquear
o cronómetro da vida
a gemer

A pedra em que reclino a cabeça
trilha-me a pele do crânio
o coração
espontâneo
entra a fibrilar

Porque se não liberta já a minha alma?
Porque não saio eu de mim?
Será que alma não tenho?

Porque continuo assim
prisioneiro de ossos e músculos
glândulas e vísceras
de ideias abstrusas

e sem nexo?

Porque me amarro ao espaço
e ao tempo
se o espaço se limita no infinito
e o tempo se esgota na eternidade?

Se não tivesse alma
também o meu corpo não tinha dono
e andava ao abandono
ao deus-dará

sábado, 18 de julho de 2015

Toda a poesia que sinto e não escrevo


 

Passa nas nuvens
nos sonhos
nos desejos
a correr
fugaz

Sob mil formas de amar
e de sofrer
de vento
e de contratempo

Toda a poesia que sinto e não escrevo

Que não escrevo porque não sei
não porque não quero

Que não escrevo não porque não tenha tempo

Que não escrevo porque não sou capaz

É poesia tudo que sinto
e não sei escrever

É angústia
é tormento

É epifenómeno do meu viver