Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Andam aviões a lavrar o ar




Andam aviões a lavrar o ar

Ruidosos
raiventos
andam aviões a lavrar o ar
a semear nos céus
ilusões
e ventos
sem cessar

A rasgar montanhas de nuvens
a traçar estradas de fumo
de rumo rectilíneo

A tecer com poesia
véus de utopia
e de ubiquidade
ao pôr do sol sanguíneo

É a Humanidade a bailar
sem cessar
sobre a terra
e sobre o mar
a dança contradança
da verdade
em viagens de paz
de guerra
ou de saudade
tanto faz

Quem sabe quando
e aonde
irá parar?




4 comentários:

  1. Linda poesia que nos coloca em reflexão.

    ResponderEliminar
  2. EU SÓ SEI..." AINDA BEM " ... QUE SEI A DOBRAR... DAQUELES QUE NÃO SABEM ....ONDE ISTO IRÁ PARAR

    ResponderEliminar
  3. Os aviões dançam ao sabor de qualquer coisa e tantos que há a voar mas o helicóptero do Presidente dos Estados Unidos em 2030 não voará por acaso até às terras transmontanas.
    Muito bem!
    Amílcar

    ResponderEliminar