Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Do Amor e de Deus





Por qualquer inaudita razão
que não é assim tão evidente como eu pensava
as palavras mais frequentes nos meus poemas
são Amor e Deus

Dir-se-á que sou um homem de fé

Não
não sou um iluminado
nem tenho assim tanta fé

Sou antes um homem de dúvidas
de dilemas
sem dívidas para ninguém
mas que tem um pouco de esperança

E só tenho esperança
porque vivo na incerteza
sinto as minhas dores
e as dos outros
sou dado a amores
e vivo angustiado

Por isso rezo
e me reveso
em religiosidade
embora não saiba onde mora a verdade

Amor e Deus
são a mesma coisa

Deus mora no meu coração

O Amor é a Sua emanação

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

A Lei Maior do Amor




Aprendi
no muito que amei e sofri
que o amor e a alegria
assim como a poesia
são potenciados
se partilhados

E que o expoente da potência que os potencia
é igual ao número daqueles
com quem se partilha

Inversamente
a paixão
reduz-se a dois
que se não ousarem a mais alguém amar
acabarão por se separar
e sofrer
depois

É por isso lícito pensar
que sem partilha não há amor
podendo, embora, a paixão acontecer

E também que se alguém ousar amar
a Humanidade
com todo o seu coração
e por ela se fazer amar
acontecerá, então
a Iluminação

Esta a Lei Maior do Amor
que aprendi
no muito que amei
e sofri

sábado, 12 de dezembro de 2015

Filhos do Sol e de Gaia







Alguém
fora do espaço e do tempo
me surpreende a lamber as feridas
do último combate dentro de mim
e me pergunta quem sou

Sou filho do Sol e de Gaia
minha bem amada mãe

Vivo do seu ar e da sua água
de angústia apresada
e de sonhos de cambraia

E componho melodias de pensamento
que tanjo com o coração
e espalho no vento

Versos de amor e amizade
poemas de verdade
gritos de razão

Olho a Lua
que iluminada
estua
nela me vejo ao espelho

Somos filhos do Sol e de Gaia
nossa mal amada mãe
ante quem me ajoelho
em acto de contrição

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

A pensar em si




Escrevi este poema a pensar em si
que agora o lê

Deu-me um tanto trabalho
é certo
mas muito mais prazer porém
como bem vê

É com alegria
portanto
que agora lhe dou a ler
esta humilde poesia

Você é um ser único
sem igual
intemporal

Em si me vejo
e revejo

Porque lê o que escrevo
sente o que sinto
pensa o que penso

Vive a meu lado
e faz-me companhia
neste mundo encantado
de sonho e fantasia
que se chama poesia

Por isso lhe sorrio
o abraço sem embaraço
e lhe expresso amizade
de verdade
também

Obrigado
portanto
por comungar
e partilhar
este meu encanto

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Amar mais e mais e mais




Os meus olhos não vêem além do horizonte
e os meus ouvidos
não escutam mais que os sons e os ruídos próximos
fugidios

As minhas mãos não tacteiam mais que a pele de corpos
e a superfície dos objectos

O meu coração apaixona-se sem sabe porquê
e o meu cérebro mais não suporta que uns quantos raciocínios

A minha alma angustia-se e mergulha em ansiedade
porque não sou livre
e estou limitado
encarcerado
dentro de mim

A olhar o mundo e o cosmos
por uma estreita fresta
por onde mal passa a luz do dia

Por isso o meu espírito se incendei em poesia
e anseia por ver mais
tactear mais
ouvir mais

E amar mais
e mais
e mais