Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Ao deus-dará


 

 

Adrede
caminho a esmo

Avanço

Mesmo que seja o vento
a traçar-me o caminho
a tecer a rede
a tramar-me o destino

Sem rumo

Ora por veredas que caiem a prumo
nas arestas da montanha
ora em terreno plano

Interno-me na floresta
do que me resta
de espírito lhano

A minha alma não sei por onde anda
à minha vontade
tanto se lhe dá

Caminho por aí
sem sair daqui
nem por ir além

Ao deus-dará