Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Porque se não liberta já a minha alma, de mim?


Fixo o olhar
sem contudo olhar
para nenhum lugar

Deixo o tempo correr


em silêncio
ouço o relógio do cosmos
a tiquetaquear
o cronómetro da vida
a gemer

A pedra em que reclino a cabeça
trilha-me a pele do crânio
o coração
espontâneo
entra a fibrilar

Porque se não liberta já a minha alma?
Porque não saio eu de mim?
Será que alma não tenho?

Porque continuo assim
prisioneiro de ossos e músculos
glândulas e vísceras
de ideias abstrusas

e sem nexo?

Porque me amarro ao espaço
e ao tempo
se o espaço se limita no infinito
e o tempo se esgota na eternidade?

Se não tivesse alma
também o meu corpo não tinha dono
e andava ao abandono
ao deus-dará