Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

A única crítica que faço a Deus







A única crítica que faço a Deus
é não ter feito os braços dos homens mais compridos
para poderem substituir as estrelas no céu
quando alguma se avaria

A única crítica que faço a Deus
é não ter feito os braços dos homens mais compridos
para poderem polir
e dar mais brilho à Lua
sempre que o firmamento
se obscurece

A única crítica que faço a Deus
é não ter feito os braços dos homens mais compridos
para as mães poderem acariciar os seus filhos
mesmo quando estão ausentes.

A única crítica que faço a Deus
é não ter feito os braços dos homens mais compridos
para poderem abraçar
de uma só vez
toda a Humanidade

A única crítica que faço a Deus
é não ter feito os braços dos homens mais compridos
para poderem plantar árvores
nos outros planetas que giram na galáxia

A única crítica que faço a Deus
é não ter feito os braços dos homens mais compridos
para a partir da Terra
poderem apertar a Sua mão
lá no céu

Sem comentários:

Enviar um comentário