Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Se assim bate o seu coração



Se o seu coração bate
assim
forte
a saltar fora do peito
feito cavalo à solta
é porque anda insatisfeito

Se o seu bater é de tambor
a rufar de dor
é angustura
que mal se atura

Se bate o coração
sem que se sinta bater
enquanto a mente pensa
com indiferença
e os olhos
olham
sem ver
é de desilusão
o seu bater

Se o coração bate
assim
forte
sem que se sinta bater
e o espírito voa
com alegria
leve
e livre
com poesia…

… é amor
nada o poderá deter

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Aquela paixão não passou de um poema escrito num pedaço de papel que ardeu






Escrevi aquele poema na minha própria alma
com a tinta doirada do meu amor
e com toda a minha arte
na esperança de que ela o lesse com o coração

Ela porém tomou-o por burlesco
por literatura de cordel

Pediu-me que o anotasse num pedaço de papel
que não leu
e que depois de amassado
acabou cremado
em fugaz incêndio
num cinzeiro grosseiro
de vidro vulgar

Sobrou um montículo de cinza
que com um sopro
leve
e um despiciendo piparote
sacudiu do capote

Não tem porque se lamentar
agora
que anda perdida
a esmo
lamentando-se de me não ter dado a devida atenção

Aquela paixão
indevida
não passou disso mesmo

De um poema escrito num pedaço de papel
que ardeu
só porque ela não o mereceu



quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Com versos e rosas me iludia




Abri-lhe meu coração de par em par
Sofrendo com o medo de a perder
Por assim tanto e tão bem lhe querer
Não sabendo como bem a conquistar

Oferecia-lhe rosas de sonhar
Poemas, arte de bem escrever
Aborrecia-a, porém, sem querer
Com essa forma, pura, de amar

Ela não gostava de poesia
Rosas não eram sua afeição
Não a conquistava, antes a perdia

Só o brilho das jóias a movia
Lhe fascinava olhos e coração
Eu, com versos e rosas me iludia

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Douro e de xisto















Humilde poeta sempre assisto
A este concerto maravilhado
De pedras em socalcos concertado
Lá onde Deus não havia previsto

É sangue e suor de muito cristo
Em terras do Douro crucificado
São ecos de amor com dor rimado
São versos de muros de tosco xisto

São poemas de mil pedras em rimas
Qual rosários abençoados
Desfiados com fé pelas colinas

São cânticos da safra das vindimas
Pela voz dos obreiros declamados
Toques de pandeiros e concertinas

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Quando a poesia acontece mesmo sem inspiração.




Já a Primavera se transmuda em Verão

Já o Sol se põe
e muda de posição
deixando atrás de si
um resplendor alaranjado
que se desvanece
e me deixa extasiado
enquanto o céu escurece
e a Terra se encobre de escuridão

Já a Lua brilha cristalina
já se acende a estrela  vespertina
depois outra após outra
marchetando o Firmamento
que por fim se ilumina
de cerúleo polimento
mais abrangente

Nenhuma ideia brilhante
nenhuma palavra redundante
uma rima sequer
indiciam poemas na minha mente

Nem eu tristonho
me predisponho a poetar
assim mergulhado na soledade
do fim do dia
extasiado com a serenidade
da contemplação

Sob o olhar da Lua
que em silêncio percorre o céu
e me olha
como se estivesse ali postada
ela sim
para a mim
me contemplar
e cobrir com o seu véu

Mas eu não tenho dilemas
penas para espiar
ninguém para namorar
nada de poemas
um verso que seja para escrever

apenas solidão

Nada à Lua posso dar

nada a Lua me oferece
à Lua nada pedi

A poesia acontece
por si
mesmo sem inspiração