Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Aquela paixão não passou de um poema escrito num pedaço de papel que ardeu






Escrevi aquele poema na minha própria alma
com a tinta doirada do meu amor
e com toda a minha arte
na esperança de que ela o lesse com o coração

Ela porém tomou-o por burlesco
por literatura de cordel

Pediu-me que o anotasse num pedaço de papel
que não leu
e que depois de amassado
acabou cremado
em fugaz incêndio
num cinzeiro grosseiro
de vidro vulgar

Sobrou um montículo de cinza
que com um sopro
leve
e um despiciendo piparote
sacudiu do capote

Não tem porque se lamentar
agora
que anda perdida
a esmo
lamentando-se de me não ter dado a devida atenção

Aquela paixão
indevida
não passou disso mesmo

De um poema escrito num pedaço de papel
que ardeu
só porque ela não o mereceu



1 comentário: