Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Amor de Outono




Perde o Verão o entono
a partir do nono
mês

E o Outono sazão
faz valer o brilho
da sua palidez

As andorinhas
ladinas
rumam para sul
o silêncio tomba
no paul

E o rebanho deserta
da sombra
do negrilho
onde dormia a sesta
em busca de erva tenra
para tosar
nos campos já
a verdejar

Diga-se em abono
da verdade
que o Outono
com sua morna cor
é tempo de sonhar
sonhos de amor
embalados pelo vento

Tempo de matar
a saudade
de amar


2 comentários:

  1. INTENSO SEU CONTEÚDO VERDADEIRO SEU SENTIR !

    ResponderEliminar
  2. Henrique ,como sempre um poema lindo.Estamos na Primavera quente e nem tão florida,aliás pouqissimas flores.
    Ah!Meu Amigo! Tenho vivido tantos problemas em família que perdi o direito de sonhar ,de pensar minha vida no sentido que colocou.
    Estou vivendo 24 horas problemas.
    Se puder e for católico,também não importa,ORE POR MIM E MINHAS IRMÃS,principalmente.Estamos com problemas muito sérios.
    Um excelente domingo!
    Imaculada

    ResponderEliminar