Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

DEITARAM O PAI NATAL NA MANJEDOURA NO LUGAR DE JESUS




(Com reiterados votos de Feliz Natal)


Tiraram Jesus dos braços de Sua mãe
subtraíram-no da companhia de Seu pai
e puseram a criança nua
a dormir ao relento
na rua

Quem?

Os donos do mundo
e nós também
a seu contento

Tomaram depois um nababo velho
barbudo, imundo e anafado
apelidado de Pai Natal
à margem do Evangelho

Converteram-no em mito comercial
e deitaram-no na manjedoura
para vender o feno e a palha do berço
e o esterco do curral

Que Deus nos valha!

Um vento de miséria e de guerra
sopra agora por toda a Terra
a Paz jaz sepultada
em túmulos de dor
lado a lado com o Amor
e a verdadeira Luz

Enquanto a tropa de facínoras barbados invade a Europa
governada por  herodes surdos e sem decoro
tentando escravizar a Virgem Maria
forçar São José à apostasia
vilipendiar Cristo e a Cruz
assassinar santos inocentes
e matar Jesus

É tempo de choro e de ranger de dentes


Vale de Salgueiro, 21 de Dezembro de 2016


4 comentários:

  1. - Forte, visceral, atual este comentário/poema que nos traz presente a situação do nosso mundo nesta época. Eloquente enunciado da imoralidade dos nossos dias fala, em lamento e repúdio , do estados de coisas insuportável a que estamos submetidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço a simpatia da sua visita, Vera Lúcia, e a generosidade das suas palavras. Abraço fraterno.

      Eliminar
  2. Grande Grito de revolta e repúdio pelo desenrolar pelo que se passa no mundo actualmente.
    Parabéns.
    Lourdes Mourinho Henriques

    ResponderEliminar
  3. Eis o meu sentir expresso por um outro poeta que pensa como eu Claro, somos poetas Lindo Amei!
    Agora só uma questão este Vale Salgueiro é em Leiria? (próximo)? seria interessante

    ResponderEliminar