Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Cartão de Cidadão (Citizen Card)




Quem sou não tem interesse
nem me interessa a mim saber
sequer

Resumindo
sou um Cartão de Cidadão
(Que também recebe o título de Citizen Card)

Um nome e um apelido
uma minúscula fotografia do rosto
sem alegria
(Quando antes deveria ali estar retratado o meu coração esteja ou não dorido)
um número de contribuinte, de identificação fiscal, melhor dizendo
(Que nem sequer teria se fora pedinte)
uma, de duas, letrinhas pequeninas para o sexo
(Preparam-se, ao que parece, para alargar o número de letras indicativas e talvez, na passada, acrecentem outra letra para perfomance sexual)
a medida da minha altura
(Omitem a minha postura sobre a vida e a sociedade, se falo ou não verdade)
mais números de utente do Serviço Nacional de Saúde
e da Segurança Social
e mais números ainda
sem significado para quem está deste lado

Ao real ser humano que sou
nem se alude

Resumindo

Em última análise
como tantos outros
ignorantes ou doutos
não sou nada nem ninguém

Mera meia dúzia de números repartidos por umas quantas Base de Dados
destinados a serem manipulados
repartidos
abatidos
se acaso o Orçamento de Estado
(ou a Segurança Nacional)
o justificarem

Quem sou não é o que sou

Quem sou não tem interesse
nem me interessa a mim saber
sequer

Só o que sou me interessa
isso sim
porque isso eu não sei!

Embora saiba que sou mais que a estúpida amargura de não ser
aquilo que outros gostariam que eu fosse
ou que me impelem a que seja

Herói de banda desenhada
notícia desejada
cidadão eleitor
impostor
pagador de impostos
utente de qualquer coisa
e mais nada

Embora só saiba que sou
esta angústia de ser
aquilo que quero ser

O quê, não sei!