Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

É na escuridão mais escura que a alma mais luz



Abro o livro
e leio

O meu espírito espevita

Ouço a voz seca de Séneca
que em seu douto pensamento
há séculos
ao vento
grita:

“Deixarás de ter medo quando deixares de ter esperança.”

É a mim que me ouço
feito criança
em desassossego

À luz do dia
tomado pelo instinto
tinto de emoção e ilusão
deixo de me ver
e de me ouvir

À luz do dia
de ambição imbuído
a ideia é ruído

No escuro
melhor  me oiço e mais bem vejo
sei o que procuro
e o que desejo

No escuro mais medo sinto
mais a mente anseia
a esperança renasce
o silêncio é ideia
divino enlace

Abro o livro
leio
e releio “ A Noite Obscura” de João da Cruz

É na escuridão mais escura
que a alma mais luz