Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Uma piedosa mentira de amor




Disse-lhe que a amava
ela acreditou

A mim alegrou-me a alegria
que o seu espírito extravasou
em gritos
beijos
e abraços

Muito mais do que eu esperava

de um amor que a espaços
eu vinha deitando a perder

Mesmo assim
ainda sinto remorsos

contrito
de não lhe ter dito
a verdade
o que mais a faria sofrer

A verdade é que a amo
não como ela me ama a mim
mas amo-a
ainda assim

Tanto que fico à espera que seja ela a descobrir
que não a amo
mas sem muito sofrer

Esta a virtude
que a mim
me ilude
se é que há virtude em mentir

Esta a razão de ser
desta amorosa
mentira
piedosa

Perdoa-me!