Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

A Fé que sinto é um instinto


É uma sede que não sacio
por mais água que beba

Uma fome que não mato com pão

Um desejo de amar que me não passa
por maior amor
ou bem
que eu faça

Esta Fé que eu sinto
é um instinto instante
uma angustiante insatisfação

É colapso da Razão
fracasso da inteligência

Esta fé que eu sinto
é o instinto de sobrevivência
do meu espírito



terça-feira, 25 de abril de 2017

Estados de alma estranhos ao normal sentir




Não são angústia nem ansiedade
dúvida ou falta de vontade
dor interior ou exterior

Não são aborrecimento nem saudade
contentamento ou felicidade
náusea ou fastio
alegria ou desilusão
medo da morte
vontade de morrer
alvedrio
premonição

São uma espécie de apatia activa
uma viva abolia
uma alegoria de iluminação

É um desejo de fugir
daqui
de mim
d`além
sem que saiba bem
para onde ir



sábado, 22 de abril de 2017

Espelho partido




Parte-se o espelho
murcha o desejo
seca-se o coração
quebra-se a ilusão

Vejo-a agora reflectida
no espelho partido
que seguro na mão
tremida

Corto os dedos
sangra-me o coração
dorido

A imagem que antevejo
refractada
tem a força da verdade
a fealdade da maldade
a fugacidade adicional
da figura do mal

Dá para ver
no espelho partido
que raramente é amor
a paixão



domingo, 9 de abril de 2017

E Deus disse…



E Deus disse:
- Dou-te a palavra, escreve o poema!

E a primeira palavra que Deus nos deu
foi a palavra “palavra”
inscrita no gesto
e no olhar
que apalavraram o primeiro verso
lavraram o primeiro poema
o primeiro convite a amar

Até que ao sétimo dia
Deus descansou
e nos deixou sós
de mente desperta
aprendendo a falar
a ler e a escrever como deve ser

Para que seja o poeta
com poesia e alegria
a despertar o espírito
que dorme em cada um de nós


terça-feira, 4 de abril de 2017

Pássaros que fazem os ninhos nas nuvens



Os poetas
são uma espécie de pássaros

De anjos que fazem os ninhos nas nuvens
e por lá se demoram a voar
ao sabor
do amor
e do pensamento

Apenas descem à terra para se angustiar
para apanhar mais penas
e melhor se sustentar
no ar

Assim será por todo o tempo
enquanto houver fantasia
nuvens no firmamento
e o vento da poesia
não parar de soprar



sexta-feira, 31 de março de 2017

Alguém me diz o que faço aqui?




Pergunto-me
desde que me conheço
e procuro-me por toda a parte

Não sei quem sou
mem o que faço aqui

Que missão é a minha?

Porque sina
ando perdido
amando e sofrendo sem tino
ou sentido?

Responde-me a Ciência com mil fórmulas
máquinas, computadores e televisões
a Filosofia com mil adivinhas
a Religião com as melhores intenções

Mas não são essas respostas que eu espero
nem quero
e mais ainda desespero
e com poesia me lamento
 como se fora um condenado
sem culpa formada
 
Talvez seja essa a ideia

Talvez deva ser eu a libertar-me desta terrível cadeia
do desconhecimento



terça-feira, 28 de março de 2017

Poisam poemas pela Primavera



O meu pensamento batia a todas as portas
angustiado
mas não tomava assento

E as palavras voavam em remoinho
como folhas mortas
pássaros sem ninho
ao sabor do vento

Mas eis que chega a Primavera
do nosso contentamento
tempo de alegria
reino da poesia

Agora as palavras voam livres
felizes
por toda a parte
como pássaros
como flores de todas as formas, sons e cores
de rara arte e beleza

Concertadas em versos
em poemas alados
amores perfumados
dispersos pela Natureza

Poemas que esvoaçam, poisam e chilreiam
por todo lado



terça-feira, 21 de março de 2017

Digam lá se isto não é poesia!



Digam lá se não é poesia
o começo da Primavera

Digam lá se não é poesia
o desabrochar de uma flor
a espera ansiada
e já com amor
da mulher amada
mesmo se ainda nem é
sequer
nossa namorada

Digam lá se não é poesia
o sorriso que a criança oferece
sem que se lho peça
mesmo se não se merece

Digam lá se não é poesia
tudo que recebemos
com alegria
porque nos apetece
aceitar

Digam lá se não é poesia
tudo que oferecemos com fantasia
quando nada temos
para oferecer

Digam lá se não é a poesia
a mais linda forma de dar
e receber
que é
amar!



sábado, 18 de março de 2017

Ouço o eco da minha voz no infinito



Em dia-noite
escuro
chuvoso
e frio
tropeço numa pedra de silêncio cósmico

Caio
mas levanto-me
a custo

Venço o medo
e retomo o caminho
com os joelhos da Razão a sangrar
dúvidas e angústias

Paro
por fim
no umbral do templo do Tempo
esgotado o Espaço
e grito em silêncio:
- «Eu não reconheço nem aceito a morte!
Sou ou não sou filho de Deus?»

A minha voz ecoa no infinito
persiste

Ouço o eco

É tudo que me resta e me basta
embora nem saiba onde moro

Prova de que vivo
não morro
e Deus existe




sexta-feira, 17 de março de 2017

Quem tem olhos tem alma




Quem tem olhos tem alma
ainda que bom
ou mau
coração

Quem tem olhos tem alma
e pensa
embora possa não ter razão

Quem tem olhos tem alma
mas menos vê
se anda cego
de ambição

Quem tem olhos tem alma
e chora
embora possa chorar
sem sentir
compaixão

Quem tem olhos alma
e a luz do amor
no seu interior
embora possa não amar
por não querer

Quem tem olhos tem alma
embora possa não ver
nem acreditar




terça-feira, 14 de março de 2017

Pão, amor e poesia



Como o pão que me alimenta
é a poesia que me sustenta
me faz viver
lutar
sorrir
resistir

Porque há um nexo de esperança
de inabalável alegria
e verdade
na minha poesia

Uma constância de Fé
que tem no Amor a força maior
na Verdade o caminho
em Deus origem e destino
e só encontra fim na Eternidade

Às vertigens de angústia
que por vezes me assolam
temores de que me engano a mim mesmo
receios de que apenas iludo a minha dor
respondo com relances de espiritualidade
que me consolam
e iluminam a Razão

A minha poesia é teimosia
ardor visceral
intemporal
mais forte do que eu

Deus ma deu
a plantou no meu coração



sábado, 11 de março de 2017

O que mais me faz pensar…  



Ainda assim
o que mais me faz pensar…

É pensar
que um dia
vou ter que deixar
aqueles que a vida
mais me fazem amar
por tanto lhes querer

É pensar na razão de ser
de tão puro amor interior
e na dor
de um dia ter que os perder

Talvez o Criador
assim o quis dispor
para nos pôr a pensar

E por força desse pensar
e de nos rasgar o coração
nos abrir
a alma e a razão
para nos garantir...

a Salvação



quarta-feira, 8 de março de 2017

Há sempre uma mulher que me inspira




Sempre que o meu espírito se diverte
sem que nada diga
à Razão

E procura na poesia
a luz
o sorriso da alegria
o sentido da vida
um lampejo de paixão

Há sempre uma mulher que me inspira
que me conduz
me excita o coração

Uma mãe
uma amiga
uma amante
vivendo perto
longe
distante
no além

O seu olhar
o seu falar
o seu amor
a sua dor
a sua recordação
semeiam na minha mente
a semente do dilema
que se acende
e arde em poema

Pensamento pensado com emoção
qual laivo de vento
que é tormento
agora
mais tarde
agora já não


in “Mulheres de Amor Inventadas (Outubro-2013)

sexta-feira, 3 de março de 2017

Um poema poderá ser uma ave solitária




Um poema poderá ser uma ave solitária
ornada de penas

Que pousa
nas antenas dos telhados
ao lusco-fusco do fim do dia

E o seu canto o ciciar dos namorados
ao amanhecer
ou o simples roçagar de asas
do coração

Poderá ser uma ave solitária pensando na vida
a olhar  o mundo de cima
recortada no luar
à procura de que rumo tomar

Uma ave que solta um pio
levanta voo
e se perde no fumo
da imaginação

Um corvo sem alegria
da Lua enamorado
negro como a noite
à procura de um sol que o acoite

Um poema
bem poderá ser o que bem se quiser

Um pássaro
o Sol
a Lua
uma mulher nua poisada na rua
a poesia da criança a aprender a andar
para alegria dos pais

Um poema poderá ser tudo
aquilo que ao poeta aprouver
e ainda muito mais




segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Sempre me dizia que partia mas ficou




Mil vezes ela me dizia
que partia
mas sempre ficou
mais apaixonada

A toda a hora me dizia
que se ia
embora
e voltou

Eu sabia que sempre que ela partia
não tardava
que curta seria
a demora

Mil vezes o meu coração se partia
mas me dizia
que ela apenas pretendia
que lhe desse mais atenção
mais ainda da que agora
lhe dou

Vou continuar deixá-la dizer
que vai
e não vai
a ir e a vir
a partir e a ficar
a fazer o que quiser

Mais atenção ainda assim
ela a mim
me vai dar

E só não lhe digo que eu
também me vou
com o receio
que de permeio
ela se vá
e vá demorar



sábado, 25 de fevereiro de 2017

Digam lá se isto não é poesia!




Digam lá se não é poesia
o começo da Primavera
o desabrochar de uma flor
a espera ansiada
e já com amor
da mulher amada
mesmo se ainda nem é
sequer
nossa namorada

Digam lá se não é poesia
o sorriso que a criança oferece
sem que se lho peça
mesmo se não se merece

Digam lá se não é poesia
tudo que recebemos
com alegria
mesmo se não nos apetece
aceitar

Digam lá se não é poesia
tudo o que oferecemos
com fantasia
mesmo se nada temos
para oferecer

Digam lá se não é a poesia
a mais linda forma de dar
e receber
que é
amar!



domingo, 19 de fevereiro de 2017

À paixão trá-la o desejo e leva-a o vento



Basta um ar
ameno
para se formar

Uma brisa
um aceno

Uma ideia imprecisa

Um olhar expressivo

Um falar melopeia

Um toque especial
um beijo impressivo

E o vendaval da desilusão
para a transmutar
em tormento

À paixão
trá-la o desejo
e leva-a
o vento



sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Por saber que paixão não leva a lado nenhum




Deixo-me ficar parado
mudo
ensimesmado
a ver a chuva cair
embora sem a sentir

O meu pensamento, porém, anda por perto
bem por dentro de mim
e nem a mais forte rajada de vento
me faz acordar
e regressar
à realidade circunscrita

É como se eu fora um eremita
orando
resguardado das tempestades do tempo
e do trovão do seu coração

Que passa os dias parado
meditando
ensimesmado
a ver a chuva cair
embora sem a sentir
por saber que a paixão não leva a lado nenhum



segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Tristeza deliquescente




Esta melencolia que me assola
em dias de chuva aborridos
ou quando o sol poente
me deixa lânguido da saudade
de quem anda ausente
estando embora presente
é uma tristeza deliquescente
mais própria dos vencidos

Abandono-me à nostalgia emergente
e paro de me angustiar
viro as costas às perguntas do costume
que sei
de antemão
não terem respostas

É quando uma morrinha miudinha
me toma os sentidos
a ponto de não me sentir nada
nem ninguém
magma
ou matéria
nem em nada materializado
em nenhum estado de espírito realizado

Fico sem saber se ainda estou aqui
ou se já vou além
se a poesia é coisa séria
ou não passa de uma pilhéria

Até que o ensejo de um bocejo
me faz despertar dessa sonolência demente
e retomar a vida corrente



sábado, 11 de fevereiro de 2017

Grito!



Consola-me constatar
que mesmo no escuro
consigo sentir

E pensar

Aprisionado nas frias masmorras da dúvida
e da angústia
onde apenas entra alguma luz
difusa
pelos olhos
e alguns sons
estereofónicos
pelos ouvidos
sinto-me amarrado a tudo que transporto comigo
e de nada me valem músculos e membros

Desesperado
agarro-me às grades e grito
no silêncio

Grito pelo carcereiro
na esperança de me fazer ouvir no universo inteiro
e de que alguém me virá libertar

Mas apenas ouço os meus gritos ecoar
e ressoar
dentro de mim
como em poço sem fundo

Porque é em mim que estou preso
numa prisão do tamanho do mundo

Apesar de tudo
consola-me constatar
que mesmo mudo
consigo gritar