Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Atirando pedras aos sonhos



Também
sobre mim
se abateu
o manto opaco da dúvida
que nada me deixava ver
ouvir
sentir
saber

Encurralado
não tinha como
nem para onde fugir

Andava perdido
como os demais

Vivia dias de pesadelo
com medo de viver
noites em vigília
gritando
com medo de dormir

Desesperado
atirava pedras aos sonhos
para os espantar
mas os sonhos regressavam
voando
em bando
teimando em não me largar

Era eu que não me dava por vencido

Acabei por compreender
que só acorda
quem se não deixa adormecer
e só vive quem sonha
e atira pedras aos sonhos