Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Soledade




Soledade

Marcámos encontro para o sítio de sempre
embora de antigamente
num banco de jardim à beira do passado
que
como sempre
embora antigamente
se encontrava desocupado

Ambos na ilusão de que voltaríamos a passear de barco
abraçados
como cisnes enamorados

Eu
ansioso
julgava reconhecê-la em cada transeunte
que se aproximava
e que tentava reconhecer-me

Ela
ainda assim 
já se encontrava sentada no banco ao lado
há tanto tempo quanto eu
sem que eu a tivesse reconhecido a ela
nem ela a mim

Eu escutava
sim
os seus pensamentos
que eram eco dos meus

Mas não!

Não era ela aquela que eu amei
ela não era aquela que me amou
eu não era aquele que ela amou
nem eu era aquele que a amou a ela

Acabámos por voltar a partir
sem sequer sorrir
como se nem um nem o outro
tivéssemos comparecido ao encontro

Embora continuássemos convictos
de que ainda nos amávamos

Como sempre
embora antigamente

in Mulheres de Amor Inventadas (1.ª Edição, Outubro de 2013)


Sem comentários:

Enviar um comentário