Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Presságio sibilino



Numa noite gélida de Inverno
de corpo a coberto da geada cortante
pelo calor de mantas e lençóis
que é quando melhor o sono sabe!

E no Firmamento esférico
pequeninos sóis cintilantes
iluminam visões de irrealidade

E como o espírito nunca dorme
mesmo se a mente adormece
sonhei um sonho feérico
colorido como o tecto da Capela Sistina
e palpitante de vida como as figuras irreais
que os geniais pincéis de Miguel Ângelo
ali pintaram para a posteridade

Foram as cinco Sibilas
que me falaram, no sonho, uma a uma
misteriosas e belas como se impunha

Falou primeiro Ciméria, sacerdotisa de Apolo
que me disse com voz firme e grave:
- O verdadeiro problema da Humanidade
  não é o aquecimento global ou o carvão!

E a segunda foi Prisca, a Eritreia
que disse tão enigmática como a primeira:
- Nem a escassez de alimentos!

E a terceira foi Dafne, a Délfica
por sua vez mais estranha que a segunda:
- E muito menos a desertificação!

E a quarta foi a sibila Líbia
que disse mais enigmática que a terceira:
- Também não é a guerra!

E a quinta foi Sambeta, a Pérsica
também ela misteriosa e séria:
- Nem sequer o moderno terrorismo!

Levantei a voz, perplexo, para as interpelar:
- Fazeis jus ao nome, sois enigmáticas e sibilinas! 
  Quais são então os problemas da Humanidade?!
  Qual é a vossa verdade minhas meninas?!

Responderam-me as cinco de pronto
em uníssono e sibilino coro:
- Os verdadeiros males da Humanidade
   que ameaçam converter a Terra
   num planeta estéril e vazio
   e desabitado como Vénus e Marte
   são a Mentira insidiosa
   que mata a Verdade e mina a Civilização
   a Ganância desenfreada 
   que deixa a maior parte sem pão
   porque tudo quer e não respeita nada
   o Vício generalizado
   que mata o corpo e embrutece a mente
   a Vaidade demente
   que divide e humilha toda a gente
   e a Intolerância cruel
   que escraviza e endurece o coração

Céptico e entristecido redargui desta sorte:
- Muitos humanos lutam para se libertar
   para ter tempo de viver e amar
   mas nenhum sobrevive à morte!

Então as cinco esfíngicas figuras cantaram
em tom grave, pausado e melodioso
este presságio cruel que me fez acordar:
- Todos vós, humanos, sobrevireis à morte
   porque sois Corpo mas também Espírito
   e o Espírito é eterno e nunca morre!
   Mas nem todos vós vos libertareis da dor
   e alcançareis o estado de pleno Amor
   antes ou depois de morrer
   por não ser esse o vosso querer!
   Tratai que uma vaga de Amor e Verdade 
   avassale toda a Humanidade!
   e salvai a Terra, se vos quereis salvar!


1 comentário:

  1. Tenho a mais absoluta convicção que terei um sono pleno de sossego e de muita paz, pois esses versos trouxeram-se esperança e assim estou muito grato.

    ResponderEliminar