Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Tacteando a eternidade na obscuridade


 

Momento de abulia
triste
de desencanto
solidão e resignação

Massajo o meu próprio crânio
comprimo-o
arranho-o
quase me dá vontade de o esmagar
para assim me soltar
mas mais me entranho

E sinto uma agradável sensação
entre mim e mim
entre cada dedo de cada mão e o crânio
que retém a Razão

As ideias fluem
e refluem
pelos cabelos
para os dedos
e a espaços
pelos braços
retornam à mente

Percebo de repente
que a mim me acaricio
e me delicio
a afagar o meu ego
e a pensar

E assim me tomo
de uma doce e leve sensação
de serena calma

Dou-me conta que apalpo a alma
e tacteio a Eternidade
na obscuridade

1 comentário:

  1. Voltei a blogar. Estou com espaço novo. Aguardo visita dos amigos!!!

    http://momentosbrancoepreto.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar