Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

50 Sonetos de Amor (VII Bem me queres, mal me queres)




VII

Bem me queres, mal me queres



Tentas-me. Finges-te adormecida
Em leito florido de malmequeres
Bela, desnuda e oferecida 
Tal a loucura com que tu me queres

Deixa a minha alma entontecida
Essa arte das sensuais mulheres
Que amansa a fera mais temida
E faz dos homens santos, vis berberes

Mas por tanto também eu te querer
Decido, porém, não te acordar
Não vá, com o espanto, te perder

De pronto dizes sem pestanejar:
«Bem me quer quem assim só me não quer!
Toda a ti, amor, me quero dar!»


Vale de Salgueiro, 4 de Abril de 2008
Henrique Pedro

domingo, 23 de setembro de 2018

50 Sonetos de Amor ( VI Amor, Pó e Vento)




VI

Amor, pó e vento


A mulher mais linda e sensual
Todo o homem que se entender
Por mais afamados que se quiser
Morrem como qualquer animal

Compostos orgânicos por igual
Acabam num monturo qualquer
Para em estrume se converter
Podres, putrefactos. A cheirar mal

Disfarçamos com perfume por fora
O pó e o vento que temos dentro
Corpos animados muito embora

Até que a morte toma assento
E a todos nos diz, aterradora: 
- Salva-se o Amor! Não o pó, nem o vento!


Vale de Salgueiro, quinta-feira, 28 de Agosto de 2008
Henrique Pedro

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

50 Poemas de Amor ( V Basta-me o teu olhar)



V
Basta-me o teu olhar


Basta-me o teu olhar, sim, para começar
Que não me ignores, que não fujas de mim
Ainda que se de mim foges, inda assim
Mais esperanças me dás, de me vir a amar

Se eu te olho com olhos de encantar
É só porque te quero bem, sem outro fim.
Olha-me com olhos de quem está afim
Então, sim, ver-me-ás a rir e a cantar

Mas se teimas em fugir e a não me ver
Nem assim mesmo tu me farás desistir
Apenas aumentarás meu cruel sofrer

E se temes que eu esteja a mentir
Pára para me ver e melhor entender
Que o amor que sinto não é a fingir


Vale de Salgueiro, 15 de Maio de 2008
Henrique Pedro


quinta-feira, 20 de setembro de 2018

50 Sonetos de Amor (IV O Juízo Original)



IV
O Juízo Original

Contesto o Teu critério, ó Criador
De expulsar Adão e Eva do Paraíso!
Se foi Eva a causadora do prejuízo
Porque não expulsá-la só a ela, Senhor?!

Continuaria, assim, o homem, sem dor
A viver no Éden, em seu perfeito juízo
E a mulher na Terra, se eu bem ajuízo,
Mais feliz do que é, sem o homem por tutor.

Ou será que Adão quis Eva acompanhar
Tão ardente era a loucura da paixão
Que nem Vós, Senhor, os conseguistes separar?!

Se assim foi, então, tendes toda a razão!
Só àqueles que aprenderem a bem amar
Vós abençoais e concedeis a Salvação.

Vale de Salgueiro, 17 de Maio de 2008
Henrique Pedro


quarta-feira, 19 de setembro de 2018

50 Sonetos de Amor (III Amar e bem-querer)




III
Amar e bem-querer

Ser capaz de amar e de bem-querer
Todo o ser humano é, sem condição
Não requer, sequer, esforço da Razão
Só predisposição para bem-fazer

Para todos os agravos esquecer
Abrir os braços e estender a mão
A quem nos ofende conceder perdão
Melhor é ter amigos até morrer!

Sempre dar com pura generosidade 
Amor a quem só tem dor e sofrimento
Ajudar sem interesse ou vaidade

E também a quem votamos sentimento
Darmo-nos por inteiro e com verdade
Sem esperar algum agradecimento


Vale de Salgueiro, segunda-feira, 4 de Agosto de 2008
Henrique Pedro

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

50 Sonetos de Amor (II Com flores e versos me iludia)




II

Com flores e versos me iludia



Abri-lhe o coração de par em par
Sofrendo com o medo de a perder 
Por assim tanto e tão bem lhe querer
Sem saber como melhor a conquistar

Oferecia-lhe flores de sonhar
Poemas de amor e de bendizer
Aborrecia-a, porém, sem querer
Com minha forma, pura, de amar

Ela não gostava de poesia
Pelas flores não sentia afeição
Não a conquistava, antes a perdia

Só o brilho das jóias a movia
Lhe fascinava olhos e coração
Eu, com flores e versos me iludia


Vale de Salgueiro, 13 de Maio de 2008
Henrique Pedro