Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sábado, 28 de julho de 2018

UM LIVRO ABERTO NO DESERTO XI – Oásis



Depois duma penosa travessia
Em que por pouco enlouquecia
De calor
Sede
E solidão
Faltas-me tu
 Huri

De braços abertos
Sorriso rasgado
No rosto de amor iluminado

Rejubilante de alegria por me receber
Desejosa de me vitoriar

Mas se no deserto me perco
No oásis não me reencontro

Volto a acreditar, sim
Depois que estive a morrer
Que há mais vida para lá de mim
E mais prazer além do sofrer

Mas a água fresca que sacia a sede
Não mata a saudade
Apenas ouço o silêncio do que penso
Falta-me a tua voz encantada

Os lagos em que me banho
Não possuem a frescura perfumada
Da tua pele electrizada

O oásis sem ti é pior que o deserto
Ainda mais cruel
Mais me faz sofrer
Porque só de ti  me faz lembrar

Melhor será ao deserto retornar
Para de ti me esquecer

(Algures no Deserto do Sahara)
 iv-v-mmix


Sem comentários:

Enviar um comentário