Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

domingo, 2 de setembro de 2012

Mata-se e mais se aviva a saudade

imagesCA1POOWE

À chegada…

 

Ela espera-me … ansiada

 

Eu procuro-a … impaciente

 

Eu vejo-a … ela vê-me

no meio de toda gente

 

Abro os meus braços

ela abre os seus

 

Ela corre … eu corro

julgo que morro … ela que morre

 

Estreitamos um abraço

levanto-a do chão

o seu coração bate

tanto quanto o meu

 

Olho-a nos olhos

olha-me nos meus

 

Colamos os lábios

deliramos um beijo

exalta-se o desejo

 

Voamos Cosmos fora

sem sair da cama

por todo o fim-de-semana

 

Soltam-se os lábios

amornam os desejos

aprazam-se novos beijos

 

Abrem-se os braços

abre-se o espaço

para próximo abraço

 

À partida…

 

Fica parada … a olhar-me

volto-me para a ver

 

Só a vejo a ela … a mais ninguém

na hora da despedida

 

Grito-lhe que a amo

grita-me que também

acena-me

digo-lhe adeus

seus pensamentos são os meus

 

Ela queria vir sentada

a meu lado

no avião

 

Preferia eu ter ficado … com ela

colado ao chão

 

Conclusão…

 

Mata-se

e mais se aviva

a saudade

nas idas e vindas

da ansiedade

 

***

*

1 comentário:

  1. Ah, os amores distantes!
    Um encontro intenso e fugaz,
    fora do mundo, fora do tempo,
    entre uma chegada e uma partida.

    Que lindo este seu cantar...

    Abraço, Manuela

    ResponderEliminar